Notificação Extrajudical: um ato de boa fé para resolução de conflitos

Sempre que surgem conflitos nas relações comerciais e negociais de uma empresa, a dúvida que frequentemente vem à tona é: há alguma forma de resolver aquela demanda sem que seja necessário acionar a justiça? Pois bem, neste artigo trataremos de uma das formas mais eficazes de resolver os desacordos de maneira amigável, sem a intermediação do poder judiciário, por meio de uma notificação extrajudicial.  

Antes de tudo, vale a pena apresentarmos o conceito e algumas particularidades da notificação extrajudicial, que, essencialmente, é uma forma de dar ciência a uma pessoa, física ou jurídica acerca de alguma informação ou de alguma pendência que precisa ser resolvida. 

A notificação extrajudicial é um ato oficial, com respaldo legal, pois tem suas bases no Código de Processo Civil (art. 726). Normalmente é feita por meio de um Cartório de Títulos e Documentos, mas também pode ser realizada de forma mais simples pelos correios. 

Por também ser um meio para constituir prova em eventual demanda judicial, caso a notificação não seja suficiente para a solução amigável do conflito, a realização do ato por intermédio de um cartório confere maior credibilidade e autenticidade ao documento, haja vista a fé pública de que dispõe o oficial notificador, o que faz com que a notificação extrajudicial tenha alto valor jurídico. 

O que pode ser notificado extrajudicialmente?  

A notificação extrajudicial pode ser feita em diversas situações e para as mais diversas finalidades. Pode ser meramente informativa ou uma solicitação para que se faça ou se deixe fazer algo.  

Muitas vezes, é utilizada para cobrar débitos em atraso, solicitar cancelamento de serviços, informar sobre prazos, comunicar alteração de endereço, exigir cumprimento de obrigações, avisar sobre as consequências de determinado ato, pedir a desocupação de um imóvel, enfim, pode ser utilizada para diversos fins. 

Deve ser encarada como um ato de boa-fé, pois, principalmente quando se busca o cumprimento de obrigações, no mínimo, o notificante teve a delicadeza de levar a demanda ao conhecimento do notificado, possibilitando uma solução amigável antes que se chegue às barras do judiciário.  

Resolução amigável de conflitos 

Além de constituir prova para eventual demanda judicial e garantir que foi levado ao conhecimento do notificado aquela determinada situação ou informação, a notificação extrajudicial bem sucedida pode desaguar na resolução imediata e amigável do conflito, pois é muito comum que o notificado não tenha tomado a providência de fazer ou deixar de fazer algo simplesmente porque não tinha conhecimento ou não se recordava de determinado prazo ou obrigação. 

Ocorre também que, muitas vezes, a notificação traz a advertência de que, não sendo solucionada a questão, o notificado pode vir a sofrer uma ação judicial. Assim, naturalmente, ele acaba por tomar alguma atitude no sentido de resolver a situação, caso tenha sido esse o objetivo da notificação. 

O fato é que, frequentemente, o notificante, ou seja, aquele que envia a notificação, acaba por obter alguma resposta, o que pode, na pior das hipóteses, pelo menos amenizar a angústia ou trazer certa paz de espírito em relação à questão que se pretendeu sanar. 

Vantagens da notificação extrajudicial 

Além de ser um meio muito eficaz para a resolução de conflitos, a notificação extrajudicial tem suas vantagens em relação à judicialização de demandas, e não são poucas. Vamos a elas: 

  • Custo 

Uma demanda judicial, além das despesas com advogados, diligências, custas processuais, honorários advocatícios e, eventualmente, honorários periciais, há sempre o risco de sucumbência, ou seja, de o demandante não se sagrar vitorioso naquela ação, o que pode onerar ainda mais o pleito judicial, com a possibilidade de pagamento de honorários também ao advogado da parte vencedora. 

Já a notificação extrajudicial tem o custo bem mais enxuto. Quando o ato é realizado por meio de um cartório, há despesas cartoriais, que não passam de três dígitos. Normalmente, algo entre R$200,00 (duzentos reais) e R$300,00 (trezentos reais), aproximadamente.  

O custo varia muito de acordo com a localização do cartório (estado/município), do volume de folhas da notificação extrajudicial, enfim, o certo é que ninguém vai se afogar em uma crise financeira após a realização do ato. 

  • Agilidade 

Em quanto tempo você alcançaria uma solução judicial definitiva para o seu caso? Provavelmente em 2, 3, talvez até mais, 5 ou 10 anos, dependendo da complexidade da causa, entre outras variáveis. Já por meio de uma notificação, você pode chegar a uma solução em dias, talvez em horas.  

É que, normalmente, no corpo do documento, fixa-se um prazo para resposta/solução da situação notificada. Alguns prazos têm uma delimitação legal, mas, na maioria dos casos, o próprio notificante o estabelece – 48 horas, 72 horas, dias – a seu critério, mas dentro de uma razoabilidade lógica para as providências requeridas para aquele caso. 

  • Sustentabilidade das relações 

Convido você a fazer o seguinte exercício mental: imagine um caso em que se deseja fazer a cobrança de atrasados. Qual seria o impacto para as relações pessoais ou comerciais de uma demanda judicial proposta em desfavor de um fornecedor, parceiro comercial ou colaborador? Por outro lado, qual seria o reflexo no caso do envio de uma carta, que objetiva o mesmo fim? 

Acho que não é necessário pensar muito para se chegar a uma resposta, não é mesmo? Uma demanda judicial pode provocar abalos de tal ordem, que pode chegar a inviabilizar a manutenção de uma relação pessoal, comercial ou qualquer outra. 

  • Desafogo da máquina judiciária 

É notório que o judiciário está sobrecarregado. Basta ver o tempo que se leva para obter uma solução judicial para uma determinada demanda. O fato é que muitas delas sequer precisariam ter chegado ao judiciário, ou por se tratar de situações muito simples de serem resolvidas ou por serem meros desencontros e falhas de comunicação. A verdade é que alguns conflitos acabam indo parar no judiciário, sendo que seria plenamente alcançável um desfecho amigável. 

Notificar extrajudicialmente é justamente dar uma chance, sanar uma desinteligência, uma desinformação, enfim, buscar um novo método para lidar com os conflitos do dia a dia. É uma excelente alternativa que o empresário tem para evitar acionar a máquina judiciária, alcançando a paz de espírito que tanto deseja para se dedicar exclusivamente ao seu negócio. 

Auxílio especializado  

É sempre válido que o empresário busque um profissional especializado para a confecção de uma notificação extrajudicial, pois, apesar de ser um documento um pouco mais simples, há requisitos a serem cumpridos em sua elaboração. Além disso, muitas vezes, é necessário amparar legalmente aquele ato, para que se chegue ao objetivo que se pretenda atingir. 

Recomendar o melhor caminho e indicar atalhos para se chegar à solução de conflitos é uma atribuição do advogado e esse profissional é, certamente, o mais indicado para obter resultados efetivos nessas demandas rotineiras do universo empresarial. 

Gostou deste artigo sobre notificação extrajudicial como ferramenta de resolução amigável de conflitos? Acesse mais conteúdos produzidos pelos advogados do escritório Camargo e Vieira clicando neste link.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

shares